Artigos

  • Data de publicação: 24/05/2021

Influência das baixas temperaturas na produção e bem-estar dos suínos

Heloiza Irtes

No Hemisfério Sul, as temperaturas começam a cair a partir de abril, com a chegada do outono, e se intensificam por volta de junho, durante o inverno. Mesmo sendo um país tropical, com predominância de altas temperaturas, o inverno no Brasil pode trazer prejuízos para a criação de suínos e ao desenvolvimento do plantel.

A médica-veterinária e gerente de Sanidade LATAM da Topigs Norsvin, Heloiza Irtes, explica que, com a chegada do frio, existem dois pontos aos quais os suinocultores precisam ter atenção. O primeiro é causado diretamente pelo clima: com a queda na temperatura é normal que os galpões sejam mantidos fechados. Essa ação impacta na concentração dos gases produzidos pela degradação das fezes (amônia e CO2), resultando em um efeito negativo no trato respiratório do animal.

Um segundo motivo para preocupação é a exposição dos suínos ao frio, ou à amplitude térmica, o que pode ser até pior. Um cenário de variação de temperatura, alteração entre frio e calor ao longo do dia, age negativamente no sistema imune dos animais e pode deixá-los susceptíveis a infecções bacterianas e virais.

“Nessa época do ano, especificamente outono e inverno, as pessoas tendem a contrair o vírus da Influenza. Nos meses mais frios, o vírus da Influenza circula mais na população de humanos, e os funcionários - quando infectados pelo vírus - têm uma grande chance de contaminar o rebanho suíno”, ressalta Heloiza.

Então, principalmente em função da circulação do vírus em humanos, os suínos tendem a apresentar mais problemas devido à Influenza. 

Estresse por variação de temperatura

É normal que o suíno sofra com o estresse por causa do frio, principalmente animais jovens, que tendem a ficar aglomerados na baia para se manterem aquecidos e, em algumas situações, isso chega a limitar o seu consumo de ração. Além de trazer prejuízos ao produtor, o suíno passa a ter um gasto energético maior para manter a homeostase, uma vez que ele deixa de colocar energia na deposição de músculo e passa a gastar essa energia na manutenção da temperatura corporal.

“Durante o inverno é importante ter atenção às temperaturas indicadas para cada etapa da produção. No ambiente de creche, a temperatura deve ser acima de 25 graus, e na recria e terminação, aproximadamente 22 graus”, orienta a médica-veterinária.

Para minimizar os impactos do frio no ambiente, a especialista afirma que é importante ter um bom manejo de cortinas para melhorar a qualidade do ar. Em maternidade e creche – setores nos quais os animais têm maior sensibilidade ao frio – dependendo da temperatura, pode-se colocar aquecedores, investir em cortinas duplas e forros nos tetos.

É preciso também cuidado redobrado na qualidade das cortinas e no treinamento dos funcionários. As cortinas precisam ser manejadas de forma correta para que o animal usufrua de um ambiente sem concentração excessiva de gases e com condição de troca de ar. “Quando o ambiente está mais frio, as cortinas são suspensas; com essa ação é cortada a corrente de ar e o ambiente fica mais quente”, explica a especialista.

A Influenza ainda é uma enfermidade bastante preocupante que acomete os plantéis de suínos no Brasil e desencadeia infecções secundárias. Na creche a principal doença secundária à influenza é a doença de Glasser (Glasserela parasuis) e, na recria e terminação pneumonias causadas pela Pasteurella. A infecção pelo Mycoplasma hyopneumoniae também pode ser piorada. “A prevenção da Influenza no País é feita por meio de vacinação dos animais e medidas de biosseguridade. No caso de infecção já implantada, os produtores precisam lançar mão da antibioticoterapia para o controle das infecções bacterianas secundárias, antipiréticos e mucolíticos para uma melhora do estado geral dos animais e promover uma recuperação mais rápida. Tudo isso sempre com acompanhamento e prescrição do médico-veterinário”, finaliza Heloiza Irtes. 

Sobre a Topigs Norsvin

A empresa de genética suína Topigs Norsvin é reconhecida por sua abordagem inovadora na implementação de novas tecnologias e pelo seu foco contínuo na produção de suínos com a melhor relação custo-benefício possível.

Com uma produção de 11 milhões de doses sêmen/ano, a melhoria contínua e fortalecimento dos produtos permitem que os clientes da Topigs Norsvin obtenham um valor agregado significativo em sua produção. O melhoramento genético da Topigs Norsvin baseia-se em dois pilares fundamentais: sustentabilidade e eficiência, que se traduzem em um programa de genética balanceado e eficiência total na alimentação.

Pesquisa, inovação e disseminação de melhorias genéticas são os pilares da empresa, que investe 22,5 milhões de euros em P&D ao ano.

Heloiza Irtes é especialista em sanidade da Topigs Norsvin, alerta sobre os desafios do manejo com a chegada do frio


Comentários Comente essa notícia

Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos site. Ao visitar nosso portal, você concorda com esse monitoramento e com nossa Política de Privacidade.