Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos site. Ao visitar nosso portal, você concorda com esse monitoramento e com nossa Política de Privacidade.
Notícias nacionais

  • Geral - Publicada em 25/09/2021

Dia da Cachaça – Patrimônio nacional, bebida gera renda e emprego

A cachaça é um patrimônio do Brasil e conhecida em todos os cantos do país e no exterior

Leia também:

Livros infantis gratuitos para ler com as crianças na quarentena

Saiba como manter uma alimentação mais saudável no inverno

Ministro Luiz Fux é eleito presidente do STF



Por: CNA - Confederação Nacional da Agricultura
25/09/2021

A cachaça é um patrimônio do Brasil e conhecida em todos os cantos do país e no exterior. Dependendo do lugar, ela ganha um nome diferente. Pode ser “pinga”, “branquinha”, “caninha”, mas o que não muda é a versatilidade do destilado, que pode ser utilizado de várias formas, desde puro até nos mais diferentes preparos e receitas de drinques, pratos tradicionais e sobremesas.

A cachaça é um destilado feito à base do caldo fresco de cana-de-açúcar e possui selo de Indicação Geográfica, estabelecida pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), por meio do Decreto 4.062/2001.

A data de 13 de setembro foi escolhida pelo Instituto Brasileiro da Cachaça (Ibrac) para celebrar o Dia Nacional da Cachaça. A iniciativa, instituída em 2009, é uma homenagem à data em que a bebida passou a ser oficialmente liberada para a fabricação e venda no Brasil, em 1961.

Desde sua origem, na metade do século XVI, a bebida acompanha a história do país com personalidade. No livro “Bíblia da Cachaça”, o autor Ricardo Ditchun afirma que o destilado artesanal expressa a diversidade cultural e geográfica do Brasil justamente por ter seu modo de preparo associado a diferentes lugares, períodos e contextos.

“De muitas maneiras, ela manifesta sotaques, crenças e motivos de orgulho de cada capítulo histórico vivido pelos habitantes de cada região do país. Desde o momento em que surgiu nos engenhos de açúcar, foi conquistando o dia a dia de boa parte das situações rurais e urbanas”, diz em trecho do livro.

A importância da cachaça é traduzida em números. De acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), o Brasil possui 1,5 mil produtores de cachaças registrados. Anualmente, são produzidos mais de 1 bilhão de litros do destilado, com uma movimentação de R$ 10 bilhões na economia.

Segundo o Anuário da Cachaça 2020, do Ministério da Agricultura, a região Sudeste possui o maior percentual de estabelecimentos registrados para produção de cachaça (68,7%), sendo um total de 656 produtores. De acordo com o Ibrac, a cachaça gera cerca de 600 mil empregos diretos e indiretos no Brasil. Atualmente existem 5,5 mil marcas registradas no INPI.

A Comissão Nacional de Cana-de-Açúcar da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) trabalha para defender os interesses do produtor brasileiro e fomentar a cadeia produtiva e seus derivados. O colegiado tem discutido a análise da minuta de Portaria 339/2021, que dispõe sobre os padrões de identidade e qualidade de aguardente de cana e cachaça.

A minuta altera a Instrução Normativa da Cachaça (IN 13), principal regulamento que estabelece os padrões de identidade e qualidade da cachaça. “A discussão da portaria é de extrema importância para o setor. E como não poderia ser diferente, buscamos trabalhar com respaldo em estudos e laudos elaborados por especialistas do tema”, disse o presidente da Comissão, Ênio Fernandes.

A assessora técnica da CNA, Eduarda Lee, explicou que, com as alterações sugeridas, “busca-se atualizar os marcos regulatórios de caracterização e fabricação de ambos produtos e garantir a competitividade com outros destilados, levando em consideração melhorias na fiscalização e preservação da saúde do consumidor”.

Arquivos para download:



Comentários Comente essa notícia