Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos site. Ao visitar nosso portal, você concorda com esse monitoramento e com nossa Política de Privacidade.
Panorama

  • Algodão - Publicada em 30/07/2021

Altas externas e restrição vendedora elevam preços do algodão

Os estoques da temporada anterior são considerados baixos, com maior disponibilidade de produto de qualidade inferior, o que dificulta as negociações

Leia também:

Mesmo com pandemia, indicador da produção de algodão sobe mais de 40% a ano

Com queda de 7,2% em junho, preço do algodão volta a patamar de fev/21

Indicador do algodão sobe 7,46% na parcial deste mês e recupera queda de junho



Por: CEPEA - Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada Departamento de Economia, Administração e Sociologia ESALQ - Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz USP - Universidade de São Paulo
30/07/2021

Os preços do algodão seguem em alta no Brasil, influenciados pelos aumentos externos (paridade de exportação, Índice Cotlook A e taxa de câmbio) e pela restrição de vendedores no mercado doméstico – de acordo com colaboradores do Cepea, os agentes continuam atentos à colheita da nova temporada e ao cumprimento de contratos. Além disso, os estoques da temporada anterior são considerados baixos, com maior disponibilidade de produto de qualidade inferior, o que dificulta as negociações. Entretanto, indústrias brasileiras estiveram mais ativas nos últimos dias, elevando os valores ofertados pela pluma, na tentativa de atrair vendedores ao mercado spot. Nesse cenário, o Indicador CEPEA/ESALQ, com pagamento em 8 dias, fechou a R$ 5,0826/lp nessa terça-feira, 21, alta de 0,82% frente ao fechamento do dia 13. Na parcial do mês (até o dia 20), o aumento é de 8,34%.

Arquivos para download:



Comentários Comente essa notícia