Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos site. Ao visitar nosso portal, você concorda com esse monitoramento e com nossa Política de Privacidade.
Notícias nacionais

  • Pecuária sustentável - Publicada em 30/07/2021

Carne bovina do Brasil pode alimentar o mundo e, ao mesmo tempo, proteger a Amazônia e o Cerrado

Representantes dos setores público e privado do Brasil e da China - empresas exportadoras e importadoras, bancos financiadores, ONGs e autoridades governamentais - discutem agenda que pode alterar panorama da produção e exportação de carne bovina para as próximas décadas

Leia também:

Protocolo inédito Carne Baixo Carbono permite aumentar lotação no pasto com sustentabilidade

Portal do Observatório da Agropecuária Brasileira reúne mais de 200 bases de dados do agro

Produtos florestais têm valorização no Paraná; principal impulso é exportação



Por: Assessoria
30/07/2021

Encontros virtuais promovidos pela TFA (Tropical Forest Alliance) tem reunido atores de toda a cadeia envolvida na produção e comercialização de carne bovina do Brasil e da China, para a discussão da pecuária sustentável e responsável nas regiões do cerrado e da Amazônia brasileira. Uma avaliação destes encontros e sobre a importância da confluência entre sistemas alimentares e conservação florestal na relação Brasil-China para promover uma cadeia da pecuária mais sustentável e produtiva está nos vídeos recém-lançados pela TFA em suas plataformas digitais - Como as organizações estão atuando para promover a transição sustentável da pecuária brasileira? e Como funciona o diálogo Brasil-China em direção ao desmatamento zero, saúde e segurança alimentar.

"Os diálogos estão construindo um roadmap que aponta o caminho para a introdução de ações públicas e privadas que garantem uma carne saudável e livre de desmatamento, e que possa, de fato, pautar as relações comerciais entre Brasil e China", afirma Fabíola Zerbini, Diretora da TFA para a América Latina. "Isso requer três principais frentes de ação: a rastreabilidade, que vai dar a transparência que assegura que essa carne não está associada ao desmatamento; os mecanismos financeiros, para atrair recursos que elevem o padrão da pecuária brasileira a um novo patamar de qualidade social e ambiental; e um business case, no qual as relações comerciais efetivamente aconteçam pautadas por essa nova ótica. Para além disso tudo, um acordo governamental Brasil-China, objetivo de médio a longo prazo, pode ser alcançado quando os governos dos dois países entenderem o potencial de aumento das suas relações comerciais a partir de um produto que atende a todos estes requisitos de qualidade".

Para Maria Elena Varas, Líder da área de Parcerias Regionais no World Economic Forum, "Os Diálogos Brasil-China trazem um exemplo muito concreto e valioso de como parcerias inovadoras entre diversos stakeholders podem fazer a diferença, acelerando soluções para os desafios alimentares mais urgentes do mundo".

"Precisamos mudar o pensamento e a abordagem para realmente criar esse entendimento de que a adoção dessas novas práticas para os pecuaristas não só protegerá a floresta como também aumentará a sua renda de forma sustentável", acrescenta Lisa Sweet, Líder da área de Futuro da Proteína e Saúde Alimentar no World Economic Forum.

De fato, a abordagem casada entre sistemas alimentares e combate ao desmatamento é essencial para o futuro positivo das florestas e da agricultura, via ações coletivas que garantam segurança alimentar, qualidade sanitária e, ao mesmo tempo, protejam as florestas e incluam, produtivamente, comunidades e pequenos produtores.

"Sustentabilidade e qualidade sanitária, ainda mais nos tempos de Covid e pós-Covid, são agendas entrelaçadas e que estão na pauta de qualquer discussão de acordos globais climáticos ou de segurança alimentar", explica Fabíola Zerbini. "Para a pecuária brasileira, isso pode representar um ganho de posicionamento junto ao mercado chinês, que está cada vez mais interessado e exigindo esse tipo de requisito de qualidade para as suas compras. A pecuária brasileira precisa somar, aos protocolos de qualidade que já regulamentam a produção e a exportação de carne do Brasil para a China, o protocolo ambiental da produção livre de desmatamento, que proteja a Amazônia e o cerrado brasileiro e simultaneamente, assegure a segurança alimentar do consumidor chinês".

O Brasil é o maior exportador de carne bovina do planeta: foram 2,6 milhões de toneladas exportadas em 2020, o que equivale a 24% de todo o volume exportado do produto, no mundo. Em relação à China, nos últimos 20 anos, a exportação de carne bovina brasileira cresceu em dez vezes. Hoje, 35% de toda a carne bovina importada pela China vem do Brasil.

Arquivos para download:



Comentários Comente essa notícia