Notícias nacionais

  • Avicultura - Publicada em 08/04/2021

Enterite necrótica - por que deve ser controlada nas granjas

Responsável por grandes prejuízos, a doença vem crescendo nos últimos anos

Leia também:

Como a nutrição de precisão pode contribuir na produção de carne de frango de qualidade

Produção avícola conta com tecnologia como alternativa aos antibióticos melhoradores de desempenho

Conheça as regiões que importam carne de frango brasileira e suas preferências



Por: Assessoria
08/04/2021

Considerada uma das doenças emergentes mais ameaçadoras hoje na avicultura, principalmente para frangos de corte, a enterite necrótica foi subestimada durante muito tempo em relação à periculosidade na granja e ao impacto econômico acarretado por ela. No início dos anos 2000, porém, os produtores norte-americanos fizeram um cálculo e chegaram a um prejuízo da ordem de US﹩ 0,05/ave. Em escala mundial, o montante chegaria a US﹩ 2 bilhões. "Esse cálculo foi realizado a partir de aves assintomáticas e das que morriam em decorrência da infecção. Sabe-se que a predominância da enterite necrótica é em sua forma subclínica", explica o médico-veterinário Antônio Neto, Assistente Técnico de Aves da Zoetis. "Por isso é difícil precisar o prejuízo provocado por essa enfermidade, mas estudiosos estimam que seja em torno de US﹩ 5 a 6 bilhões por ano, a um custo estimado de US﹩ 0,0625/ave", acrescenta Neto.

Causada pela bactéria Clostridium perfringens, a enterite necrótica afeta frangos de corte, galinhas poedeiras, perus e codornas, e caracteriza-se por uma infecção intestinal aguda, não contagiosa, provocada por toxinas liberadas pelo agente causador.

A doença pode estar presente em granjas de diferentes formas - como infecção subclínica (crônica), com necrose intestinal focal, quadros diarreicos e acometimento hepático ou em sua forma clássica (aguda), em que ocorre uma enterite necrosante e quadros de mortalidade. "As formas leves e subclínicas da infecção são as que apresentam maior incidência e sua ocorrência vem crescendo com o passar dos anos em todo o mundo", reforça o médico-veterinário.

De acordo com o especialista, a constatação está atrelada às novas exigências internacionais de produção de aves, que proíbem o uso de antibióticos como promotores de crescimento (AGP). "O mercado tem exigido alternativas para prevenir a doença, para que os antibióticos sejam cada vez menos utilizados no processo de crescimento das aves", informa Neto.

Prevenção, controle e tratamento

"Hoje não existem vacinas para a prevenção da enterite necrótica, mas há boas práticas de manejo para seu controle, como uma nutrição adequada, a adoção de medidas de biosseguridade e a prevenção de fatores imunossupressores para as aves", diz Neto.

Enquanto a vacina não chega ao mercado, a indústria vem utilizando como alternativas probióticos, prebióticos, simbióticos, ácidos orgânicos, extratos vegetais, óleos essenciais e enzimas. "Todas essas opções têm como objetivo principal a saúde intestinal das aves e, consequentemente, melhores resultados zootécnicos e econômicos.

"Além disso, em casos de necessidade de tratamento é indicado o uso da Bacitracina Metileno Disalicilato, via ração ou via água de bebida, pois este terapêutico tem ação nas porções distais do intestino das aves, exatamente onde se encontra a maior quantidade do Clostridium perfringens", finaliza Neto.

Comentários Comente essa notícia4

Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos site. Ao visitar nosso portal, você concorda com esse monitoramento e com nossa Política de Privacidade.