Notícias nacionais

  • Pecuária Leiteira - Publicada em 29/03/2021

Mercado sinaliza recuperação do preço dos lácteos

Com mudança no mix de comercialização, setor começou a reagir, depois de quedas consecutivas

Leia também:

Paraná se torna 2º maior produtor de leite do país e atrai investimentos no setor

Edital para contratar instrutores na pecuária de leite

INs 76 e 77: após um ano o mundo não acabou



Por: FAEP (Federação da Agricultura do Estado do Paraná)
Notícia atualizada em 29/03/2021

Após quedas consecutivas entre o fim de 2020 e o início deste ano, o setor de lácteos começou a esboçar reação em março. As indústrias reduziram as apostas no queijo muçarela, que vinha em franca desvalorização, voltando a produção a outros derivados que estavam com melhor desempenho no mercado. A projeção é de que o valor de referência do leite padrão – usado como base na negociação entre produtores e a indústria – avance 1,78%, chegando a R$ 1,6045. Os números foram apresentados durante reunião do Conselho Paritário Produtores/Indústrias de Leite do Paraná (Conseleite-PR), realizado nesta terça-feira (23), por videoconferência.

Uma das chaves para a recuperação dos preços foi a mudança no mix de comercialização dos lácteos. Em dezembro, o muçarela respondia por mais de 50% dos produtos comercializados. Com os preços desse derivado despencando mês a mês, as indústrias reduziram a produção deste item, de modo que a participação do muçarela caiu para 43,7% do mix. Paralelamente, produtos como leite spot, UHT e leite em pó – que estavam com preços em valorização – ganharam espaço.

“Esse comportamento de mercado fez com que os sinais se tornassem positivos para praticamente todos os produtos. Se o setor vende mais um produto que tem maior capacidade de pagamento, isso colabora com o valor de referência”, disse a professora Vânia Guimarães, uma das responsáveis pelo levantamento. Conforme a análise de mercado, a reação dos produtos lácteos ocorreu principalmente ao longo das duas últimas semanas. “Isso nos sinaliza que, talvez, possamos ter valores ascendentes nos próximos meses”, acrescentou.

Nos dois produtos mais comercializados – o muçarela e o UHT –, o comportamento foi semelhante: o preço médio de ambos os derivados sofreu uma queda acentuada em fevereiro, mas demonstrou tendência de recuperação em março. No caso do UHT, a alta recente fez com que o produto superasse o patamar que estava em janeiro. No caso da mussarela, apesar da reação expressiva, o preço ainda está bem abaixo dos verificados nos meses anteriores.

Outros dois derivados também obtiveram desempenhos significativos. Após sofrer desvalorização de 2,11% em fevereiro, o leite spot teve alta de 4,84% na parcial de março. Já o leite em pó tem cenário positivo, graças a supervalorização do produto no mercado internacional, o que deve trazer impactos nos preços do derivado aqui o Brasil.

“Para os próximos meses, temos que considerar um outro fator, que é a nova entrada do auxílio emergencial, que vem em valor menor ao pago no ano passado. Vamos ver de que isso impacta no mercado de lácteos”, disse o presidente do Conseleite-PR, Ronei Volpi, que representa a FAEP no colegiado.

Comentários Comente essa notícia4

Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos site. Ao visitar nosso portal, você concorda com esse monitoramento e com nossa Política de Privacidade.