Boi Gordo
R$ 250,92
17/09/2020
Soja (sc)
R$ 136,85
17/09/2020
Dolar
R$ 5,2632
18/09/2020
Boa tarde! Hoje é sexta, 18 de setembro de 2020

  • Data de publicação: 18/06/2020

A importância da precocidade dos manejos para a garantia de altos patamares produtivos

Vinícius Gianasi e Eduardo Martinez

O Brasil tem alcançado altas médias de produtividades de soja nos últimos anos devido ao grande avanço do melhoramento genético e também à melhor utilização de tecnologias no campo. Neste cenário, iniciar o manejo fitossanitário cada vez mais cedo é essencial para obter altas produtividades.

Uma grande mudança observada foi que as variedades de soja com hábito de crescimento determinado foram perdendo espaço para as variedades com hábito indeterminado. A principal mudança está no estágio da floração que inicia no terço inferior onde originam seus primeiros legumes. Na fase seguinte, a planta ainda continua em seu processo de vegetação. Este local, popularmente chamado de "baixeiro ou terço inferior" é onde se encontra atualmente a maior quantidade de vagens. Já nas variedades de hábito de crescimento determinado, onde primeiro acontece a vegetação e depois ocorre o início do florescimento, a planta cresce pouco e não mais se ramifica. Suas maiores quantidades de vagens se concentram no terço superior das plantas.

Se o hábito de crescimento da soja mudou, o manejo de doenças precisa acompanhar este processo evolutivo com olhar mais crítico para o terço inferior. Além das já conhecidas doenças, como Mancha alvo e Ferrugem, a expansão de outras como Septoria glycines (Mancha parda), Cercospora kikuchii (Crestamento de cercospora) e Colletotrichum dematium (Antracnose) provocam desfolha das plantas e fazem com que o ciclo da cultura seja antecipado em até 25 dias, levando assim ao menor enchimento de grãos. O processo pode reduzir a produtividade da lavoura em mais de 30% em relação a uma planta sadia.

Grande parte da ineficiência do controle dessas doenças está no tratamento e no posicionamento tardio das aplicações com fungicidas. Considerando que essas doenças podem causar infestações no início do ciclo vegetativo da soja, a preocupação deve ser iniciada desde as primeiras aplicações, que deverão ter foco em manchas e nas doenças citadas para redução de inoculo.

Como dito anteriormente, nas cultivares atuais, a carga produtiva está localizada na maioria das vezes no terço inferior da planta. Por isso é muito importante proteger as folhas do baixeiro para que elas se mantenham ativas na planta pelo maior tempo possível.

Quando nos referimos à recomendação da primeira aplicação de fungicida, para o controle destas doenças, nos referimos ao número máximo de 6 trifólios (V6). Para garantir máxima proteção na fase vegetativa da soja, o fungicida precisa atingir do primeiro trifólio (V1) até o sexto trifólio (V6).

Quando as aplicações de fungicidas são realizadas no estádio vegetativo, as plantas apresentaram menor severidade de doenças e, consequentemente, teremos menor desfolha precoce do terço inferior, contribuindo para um melhor enchimento de grãos e manutenção do potencial produtivo da cultura.

No Brasil, os índices de adoção da aplicação precoce ainda são baixos. Os agricultores preferem esperar até o estágio V8 a V10 para realizarem a aplicação. Neste momento, o espaçamento entre linhas é praticamente zero, limitando o depósito das gotas nas folhas inferiores, onde as doenças estão evoluindo. Este fator contribui para redução da eficácia dos fungicidas e aumenta a expansão destas novas doenças nas regiões produtoras de soja no Brasil.

Pesquisas realizadas pelo Prof. Dr. Carlos Alberto Forcelini (Professor Titular da Universidade de Passo Fundo/RS) mostram que independentemente dos cultivares de soja com hábito de crescimento indeterminado, legumes e grãos do terço inferior respondem significativamente em peso quando adotadas aplicações de fungicidas no período vegetativo pensando em proteger o terço mais importante das plantas. 


Comentários Comente essa notícia

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre o uso de cookies.